Silval detalha rateio de propina e diz que queria só pagar dívida de R$ 10 mi a Piran

Categoria: Estadual
Acessos: 91
sivalPela terceira vez, o ex-governador Silval Barbosa (PMDB) será interrogado sobre ações que o acusam de ser chefe da organização criminosa que atuava no Executivo estadual durante a sua gestão.
A exemplo dos dois últimos depoimentos, hoje (20), o peemedebista manterá a linha de confessar detalhes dos crimes cometidos. A audiência acontece na 7ª Vara Criminal.
A investigação, que culminou no processo da Sodoma 3, apura ilegalidades na desapropriação de áreas no Jardim Liberdade, em Cuiabá.
Conforme denúncia do Ministério Público, Silval expôs ao chefe da Casa Civil Pedro Nadaf a necessidade de desviar R$ 10 milhões do erário para saldar uma dívida particular que tinha com Valdir Piran. Diante da situação, foi arquitetada a fraude.
De todo o valor pago pelo Estado pela desapropriação, o grupo teria movimentado um percentual correspondente a 50%, ou seja, R$ 15,8 milhões retornaram via empresa SF Assessoria e Organização de Eventos, de Propriedade de Filinto Muller em prol do grupo criminoso. De acordo com a investigação, a maior parte do dinheiro desviado (R$ 10 milhões) pertencia ao chefe Silval, ao passo que o remanescente foi dividido entre os demais participantes, no caso, os ex-secretários Nadaf, Marcel, Arnaldo, Afonso Dalberto e o procurador Chico Lima.
Réus
Além de Silval e Piran constam como réus os ex-secretários Pedro Nadaf (da Casa Civil), Marcel de Cursi (de Fazenda) e Arnaldo Alves (de Planejamento); além do ex-procurador do Estado Francisco Gomes de Andrade Lima Filho, o Chico Lima; ex-chefe de Gabinete de Silval, Silvio Correa; ex-secretário adjunto de Administração, José de Jesus Nunes Cordeiro, os ex-secretários de Administração, Cézar Zílio e Pedro Elias; filho de Silval, médico Rodrigo Barbosa; ex-secretária de Nadaf na Fecomercio Karla Cecília de Oliveira Cintra; ex-presidente do Intermat, Afonso Dalberto; ex-presidente da Metamat João Justino Paes de Barros; o advogado Levi Machado de Oliveira; e os empresários Antonio Rodrigues de Carvalho e Alan Malouf.
 
 
Fonte: RD News